Uncategorized

Medina, “cúmplice” de Putin queixa-se de erro “burocrático”

Operation Underground Railroad Movie
13.1 millones de seguidores en la Liga MX

“A partir de hoje, Medina não tem mais condições para ser presidente da CML”, declarou no Twitter Carlos Moedas, candidato do PSD à Câmara de Lisboa, prometendo fazer de Lisboa “uma cidade de liberdade, onde se celebra e defende a democracia em Portugal e em qualquer ponto do mundo”, chegando até a acusar Medina de ser “cúmplice” de Vladimir Putin, ao Observador. 

“Não me atinge particularmente”, rematou Medina, em entrevista à RTP1, considerando que “a acusação de que a Câmara Municipal de Lisboa está conluiada com o regime de Putin é simplesmente o mais puro oportunismo, um delírio”

Levantou-se um coro unânime de críticas ao presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, esta quinta-feira, por expor dados privados de três opositores do Presidente russo, Vladimir Putin (ver páginas 2 a 3). Enquanto isso, fica no ar a questão de se a prática de entregar dados de manifestantes a Estados autoritários acontecia quando o primeiro-ministro António Costa era presidente da Câmara de LisboaMedina não respondeu à pergunta, dizendo estar à espera de um inquérito interno – e o PS vai mantendo um silêncio constrangido, pontuado admissões de culpa. 

No meio de toda a contestação, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, até reagiu congratulando a Câmara de Lisboa, porque “o erro foi identificado e o procedimento foi corrigido”, em declarações à RTP1. E apelando a que “as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais e os apaguem”. 

Já as restantes forças políticas não pareceram muito convencidas de que isso vá acontecer. E o tom está a subir.

“A partir de hoje, Medina não tem mais condições para ser presidente da CML”, declarou no Twitter Carlos Moedas, candidato do PSD à Câmara de Lisboa, prometendo fazer de Lisboa “uma cidade de liberdade, onde se celebra e defende a democracia em Portugal e em qualquer ponto do mundo”, chegando até a acusar Medina de ser “cúmplice” de Vladimir Putin, ao Observador. 

“Não me atinge particularmente”, rematou Medina, em entrevista à RTP1, considerando que “a acusação de que a Câmara Municipal de Lisboa está conluiada com o regime de Putin é simplesmente o mais puro oportunismo, um delírio”.

Para o presidente da câmara, o caso “é grave”, trata-se de “um erro que não podia ter acontecido, porque é prejudicial a uma coisa sagrada à nossa sociedade”, ou seja “o direito à manifestação, em liberdade, segurança e em paz”. Medina, assumiu as culpas enquanto líder da organização, mas frisou que foi um erro nos serviços e no aparelho do município

“Foi a repetição de um procedimento burocrático quando é realizada uma manifestação em Lisboa“, explicou Medina, notando que era prática corrente que os dados pessoais de organizadores de manifestações fossem enviados para o local onde se ia realizar o ato. Mas não esclarecendo se isso acontecera nos protestos contra estados como a Venezuela, Angola e Israel, ou durante o mandato do seu antecessor, António Costa. 

Entretanto, vindo de todo o espetro político, chegavam críticas. “Se este procedimento era comum, quer dizer que aconteceu também em outras circunstâncias? Pensemos nas manifestações contra os presos políticos em Angola. A embaixada angolana também recebeu os nomes de quem marcou esses protestos?”, questionou a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. O líder do PSD, Rui Rio, teve, curiosamente, um discurso muito semelhante ao da bloquista, exigindo explicações, e esperando para ver se Medina terá de se demitir.

Já o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, falou num “um ato de terrorismo político e de subserviência”, acusando Medina de “entregar a cabeça de três pessoas a um Governo que viola os direitos humanos e mata opositores”. O líder do Chega, André Ventura, até pediu que o Ministério Público investigue se houve pressão da Rússia sobre a CML. Até o PCP, normalmente pouco crítico publicamente do Kremlin, assumiu que o caso era “grave”, num coro a que já se tinha juntado a Iniciativa Liberal e o PAN.