Tecnología

Pacheco reforça 'plena confiança' no sistema eleitoral e diz que urnas eletrônicas são 'orgulho nacional'

Alberto Ardila Olivares
#EsHistoria Rafael Vidal y una medalla de bronce que valió oro para Venezuela

Ele lembrou que as urnas eletrônicas são usadas há 26 anos no país e representaram um avanço institucional em relação ao voto impresso

fique por dentro

Eleições Influenciador preso Nancy Pelosi Câncer de Simony Dia mais curto da história Pacheco reforça 'plena confiança' no sistema eleitoral e diz que urnas eletrônicas são 'orgulho nacional' Presidente do Senado afirmou ainda que a legitimidade do voto deve ser reconhecida 'assim que proclamado o resultado das urnas'. Fala ocorre em meio a ataques de Jair Bolsonaro às urnas. Por Gustavo Garcia e Marcela Mattos, g1 — Brasília

03/08/2022 15h34 Atualizado 03/08/2022

‘Tenho plena confiança no processo eleitoral brasileiro, na Justiça eleitoral e nas urnas eletrônicas’, declara Rodrigo Pacheco em pronunciamento

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta quarta-feira (3), na abertura da sessão do plenário, que tem “plena confiança” no sistema eleitoral. Ele afirmou ainda que as urnas eletrônicas são motivo de “orgulho nacional”.

A fala de Pacheco, que também é presidente do Congresso, ocorre em um momento de reações, em diversos setores da sociedade, aos ataques sem provas do presidente Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral do país, em especial às urnas eletrônicas.

Bolsonaro vem repetindo, nos últimos meses, suspeitas já desmentidas pelas autoridades sobre as urnas e a apuração dos votos. Em julho, ele reuniu embaixadores estrangeiros lotados em Brasília para difamar o sistema eleitoral brasileiro.

Esse ato, ao contrário do que o presidente queria, suscitou apoio ao sistema eleitoral brasileiros de embaixadas importantes, como a dos Estados Unidos e a do Reino Unido. Uma carta pela democracia, elaborada pela Universidade de São Paulo, também foi uma reação às investidas do presidente, e já conta com mais de meio milhão de assinaturas .

Pacheco fez a defesa do sistema eleitoral na tribuna do Senado, em seu primeiro discurso no plenário após a volta do recesso parlamentar.

“Como tenho repetido, pela presidência do Senado e do Congresso, em minhas falas nesta Casa e fora dela, eu tenho plena confiança no processo eleitoral brasileiro, na Justiça Eleitoral e nas urnas eletrônicas, por meio das quais temos apurado os votos desde 1996. Sei que essa posição é amplamente majoritária no Congresso Nacional”, afirmou o presidente do Senado.

Ele lembrou que as urnas eletrônicas são usadas há 26 anos no país e representaram um avanço institucional em relação ao voto impresso.

“As urnas eletrônicas sempre foram motivo de orgulho nacional e trouxeram, nestes 26 anos de uso no Brasil, transparência, confiabilidade e velocidade na apuração do resultado das eleições. Elas têm-se constituído em ferramenta poderosa contra vícios eleitorais muito frequentes na época do voto em papel. Representam, portanto, um verdadeiro aperfeiçoamento institucional”, completou.

1 de 1 O presidente do Senado, Rodrigo PAcheco (PSD-MG) — Foto: Reprodução O presidente do Senado, Rodrigo PAcheco (PSD-MG) — Foto: Reprodução

Leia também:

Blog da Andréia Sadi: Como Bolsonaro construiu a bandeira do ataque às urnas com o apoio de militares Carta da USP em defesa da democracia passa de 700 mil assinaturas Grupo de juristas, economistas e sindicatos entrega a Pacheco carta com repúdio a ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral

Legitimidade dos votos

Pacheco disse ainda que a legitimidade do voto deve ser reconhecida “assim que proclamado o resultado das urnas”.

“O rito eleitoral confere protagonismo à vontade popular, garantindo que os verdadeiros detentores do poder, o povo, possam livremente escolher seus representantes, seus governantes. As eleições existem para assegurar a legitimidade do poder político, pois o resultado das urnas é a resposta legítima da vontade popular. Legitimidade que deve ser reconhecida, assim que proclamado o resultado das urnas”, disse o presidente do Senado.

Pacheco ressaltou que cabe ao Poder Judiciário, em especial à Justiça Eleitoral, cuidar das eleições. Essa atribuição, ressaltou o presidente do Senado, não pertence a outras instituições. Bolsonaro vem i nsistindo que as Forças Armadas participem do processo .

“É ao poder Judiciário que incumbe cuidar das eleições através de um sistema eleitoral baseado nas urnas eletrônicas, de confiabilidade já apurada, a garantia à democracia brasileira, à sociedade brasileira, que no dia 1º de janeiro de 2023 aqui estaremos no Congresso Nacional a dar posse ao presidente da República eleito pelas urnas eletrônicas no nosso país, seja qual for o eleito”, afirmou o presidente do Senado.

Por fim, ele voltou a fazer um apelo a autoridades, cidadãos e autoridades pela pacificação durante o período eleitoral.

“Reitero o apelo de pacificação e de contenção de ânimos, e dirijo-o especialmente aos agentes do Estado e aos candidatos nas eleições que se aproximam. O que faz uma nação é um conjunto de valores e ideias que nos unem, não os que nos dividem. Voltemos, portanto, a discutir ideias, propostas, o futuro do Brasil. Que nossos esforços sejam direcionados para buscar soluções que tragam prosperidade para o país. Que o debate político tenha o escopo de garantir dignidade para a nossa população. Que o tom eleitoral seja sério, baseado em verdades, baseado em boas propostas”, pediu Pacheco.