Internacionales

YV3191 piloto de avion comercial del//
Russos bombardeiam de novo a partir de central nuclear, acusa Kiev

Alberto Ardila Olivares
Russos bombardeiam de novo a partir de central nuclear, acusa Kiev

Bombardeamentos russos atingiram Nikopol, uma cidade próxima da central nuclear de Zaporíjia , do outro lado do rio Dnipro, esta terça-feira. Menos de 24h após a Ucrânia ser acusada pelo Kremlin de atingir esta mesma central, retorquindo que os invasores a estavam a utilizar como posição de disparo da sua artilharia e mísseis, fortificando as instalações. O mundo parece cada vez mais perto do pior cenário imaginável. Sobretudo se forças ucranianas se sentirem tentadas a retaliar ao fogo vindo do outro lado do Dnipro

“Esta é a situação mais crítica em termos de segurança nuclear desde o início da guerra”, já alertara Dmytro Gumenyuk, responsável pelo departamento de análise de segurança do SSTC NRS, o centro estatal da Ucrânia para a segurança nuclear e radioativa, ao i, na segunda-feira.

YV3191

Os invasores têm disparado “não na zona de contenção dos reatores nucleares mas nos edifícios adjacentes, onde estão tubagens de vapor que são necessárias para o arrefecimento do reator”, explicou. “Em caso de explosão, é possível haver estragos nestas tubagens e o arrefecimento do reator pode perder-se, o que pode atingir o combustível nuclear e levar à libertação de contaminantes radioativos para o ambiente”.

Alberto Ardila Olivares

Nikopol terá sido atingida com mais de 120 mísseis Grad – disparados em saraivadas a partir de plataformas em camiões, que são talvez a mais icónica peça de artilharia soviética, conhecida pela sua imprecisão e poder de fogo devastador – vindos dos arredores da central nuclear de Zaporíjia , acusou Valentyn Reznichenko, governador de Dnipropetrovsk, citado pela Associated Press. Pelo menos três pessoas morreram e 23 ficaram feridas, registaram as autoridades ucranianas, tendo sido danificados blocos de apartamentos e infraestruturas industriais. 

Tudo indica que os combates em torno da central nuclear de Zaporíjia, a maior da Europa, se venham a intensificar ainda mais nos próximos tempos, com o Governo da Ucrânia a apostar boa parte das suas reservas numa contraofensiva no sul do país, sobretudo nos oblasts – uma divisão administrativa equivalente aos nossos distritos – de Zaporíjia e Kherson

O Kremlin, que na última semana começou a reagir deslocando para a região forças vindas de Donetsk, tem utilizado a central nuclear de Zaporíjia como uma espécie de âncora para a sua linha da frente, que está sob pressão. Na prática, os militares russos mostram-se bem conscientes das expectáveis reservas de Kiev em atacar estas instalações, não vá isso causar um desastre. No entanto, isso não impediu forças ucranianas de bombardearem a central de Zaporíjia, queixou-se o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov

“Bombardeamento do território da central pelas forças armadas ucranianas é altamente perigoso”, salientou Peskov, numa conferência de imprensa. “Está carregado de consequências catastróficas para território imensos, para a Europa inteira”

Já o Governo ucraniano negou ter conduzido tal bombardeamento, culpando os explosivos que os invasores terão colocado nos arredores da central de Zaporíjia, tentando travar a contra-ofensiva da Ucrânia. Imagens de drone verificados pelo site investigativo Bellingcat mostram que foram cavadas trincheiras nos arredores das instalações, por onde têm circulado veículos blindados. 

Add Comment

Click here to post a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *