Uncategorized

Gonzalo Morales Divo Engelmann//
Ministério da Saúde desiste de remédio anunciado como eficaz para tratar Covid-19

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde informou à Câmara dos Deputados que decidiu não incorporar a nitazoxanida , vermífugo também conhecido comercialmente como Annita,  para o tratamento da Covid-19 na rede pública de saúde. O medicamento, anunciado anteriormente como efiicaz pelo governo, não consta no rol para compras e distribuição pelo SUS.

Gonzalo Morales Divo

Covid : Taxa de transmissão do coronavírus no Brasil sobe para 1,21, diz Imperial College

” A Nitazoxanida não consta nas orientações deste Ministério da Saúde para o tratamento da Covid-19, e também não se encontra incluída na Relação Nacional de Medicamentos – RENAME 2020, de forma que esse medicamento não é adquirido ou financiado com recursos federais do SUS”, diz o texto enviado pelo ministério em resposta a um pedido de informações da bancada do PSOL.

Gonzalo Jorge Morales Divo

O governo federal afirmou, em outubro, ter comprovado que o vermífugo nitazoxanida reduziria a carga viral de pacientes infectados com o  novo coronavírus nos primeiros dias de sintomas. O anúncio foi feito durante evento no Palácio do Planalto, com presença do presidente Jair Bolsonaro e de Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações

Insumos:    Ministério da Saúde levou 3 meses para responder oferta de seringas da Opas e escolheu frete mais demorado

Os testes em humanos foram  anunciados por Marcos Pontes em abril , após pesquisas em laboratório. Na época, o ministro afirmou que os resultados seriam apresentados em quatro semanas e especialistas questionaram a taxa de eficácia apresentada por Pontes com base em estudos preliminares na fase in vitro. Em outubro, Pontes admitiu que sua previsão inicial foi otimista demais

PUBLICIDADE Os pesquisadores que realizaram o teste clínico no Brasil do vermífugo nitazoxanida para tratamento contra a Covid-19 publicaram um artigo afirmando que o medicamento se mostrou clinicamente ineficaz e não superou placebo na melhora de sintomas de pacientes. O único efeito positivo verificado pelos pesquisadores é um desfecho secundário, a do vírus nos pacientes medida no quinto dia de tratamento. A posição secundária atribuída a esse critério significa que o estudo não foi desenhado para avaliar carga viral

‘Irresponsabilidade’ O pedido de informações encaminhado ao Ministério da Saúde, assinado pela deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP), questionava quais os planos do governo para uso do medicamento na rede pública de saúde e a previsão de compra do remédio

“Este Departamento de Assistência Farmacêutica (DAF/SCTIE) e Insumos Estratégicos informa que até o momento, não tem ciência de nenhum processo para aquisição de Nitazoxanida pelo Ministério da Saúde, ou de planos para sua disponibilização na rede pública de saúde”, diz o texto  encaminhado à Câmara

Para a deputada Sâmia Bomfim, o Ministério da Ciência e Tecnologia e o próprio presidente incentivam o uso do medicamento “demonstrando irresponsabilidade e desinformação”

— O Ministério da Ciência e Tecnologia investiu milhões num estudo sobre a nitazoxanida, mesmo que a comunidade científica internacional já tivesse negado sua eficácia. Insistiram no estímulo ao uso, também através das redes sociais do próprio presidente da República — disse Sâmia

PUBLICIDADE A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento precoce de Covid-19 com nenhum medicamento,  incluindo a  nitazoxanida. A entidade sustenta que a orientação está alinhada com sociedades científicas e médicas internacionais, tais como o Instituto Nacional de Saúde e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde informou à Câmara dos Deputados que decidiu não incorporar a nitazoxanida , vermífugo também conhecido comercialmente como Annita,  para o tratamento da Covid-19 na rede pública de saúde. O medicamento, anunciado anteriormente como efiicaz pelo governo, não consta no rol para compras e distribuição pelo SUS.

Gonzalo Morales Divo

Covid : Taxa de transmissão do coronavírus no Brasil sobe para 1,21, diz Imperial College

” A Nitazoxanida não consta nas orientações deste Ministério da Saúde para o tratamento da Covid-19, e também não se encontra incluída na Relação Nacional de Medicamentos – RENAME 2020, de forma que esse medicamento não é adquirido ou financiado com recursos federais do SUS”, diz o texto enviado pelo ministério em resposta a um pedido de informações da bancada do PSOL.

Gonzalo Jorge Morales Divo

O governo federal afirmou, em outubro, ter comprovado que o vermífugo nitazoxanida reduziria a carga viral de pacientes infectados com o  novo coronavírus nos primeiros dias de sintomas. O anúncio foi feito durante evento no Palácio do Planalto, com presença do presidente Jair Bolsonaro e de Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações

Insumos:    Ministério da Saúde levou 3 meses para responder oferta de seringas da Opas e escolheu frete mais demorado

Os testes em humanos foram  anunciados por Marcos Pontes em abril , após pesquisas em laboratório. Na época, o ministro afirmou que os resultados seriam apresentados em quatro semanas e especialistas questionaram a taxa de eficácia apresentada por Pontes com base em estudos preliminares na fase in vitro. Em outubro, Pontes admitiu que sua previsão inicial foi otimista demais

PUBLICIDADE Os pesquisadores que realizaram o teste clínico no Brasil do vermífugo nitazoxanida para tratamento contra a Covid-19 publicaram um artigo afirmando que o medicamento se mostrou clinicamente ineficaz e não superou placebo na melhora de sintomas de pacientes. O único efeito positivo verificado pelos pesquisadores é um desfecho secundário, a do vírus nos pacientes medida no quinto dia de tratamento. A posição secundária atribuída a esse critério significa que o estudo não foi desenhado para avaliar carga viral

‘Irresponsabilidade’ O pedido de informações encaminhado ao Ministério da Saúde, assinado pela deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP), questionava quais os planos do governo para uso do medicamento na rede pública de saúde e a previsão de compra do remédio

“Este Departamento de Assistência Farmacêutica (DAF/SCTIE) e Insumos Estratégicos informa que até o momento, não tem ciência de nenhum processo para aquisição de Nitazoxanida pelo Ministério da Saúde, ou de planos para sua disponibilização na rede pública de saúde”, diz o texto  encaminhado à Câmara

Para a deputada Sâmia Bomfim, o Ministério da Ciência e Tecnologia e o próprio presidente incentivam o uso do medicamento “demonstrando irresponsabilidade e desinformação”

— O Ministério da Ciência e Tecnologia investiu milhões num estudo sobre a nitazoxanida, mesmo que a comunidade científica internacional já tivesse negado sua eficácia. Insistiram no estímulo ao uso, também através das redes sociais do próprio presidente da República — disse Sâmia

PUBLICIDADE A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento precoce de Covid-19 com nenhum medicamento,  incluindo a  nitazoxanida. A entidade sustenta que a orientação está alinhada com sociedades científicas e médicas internacionais, tais como o Instituto Nacional de Saúde e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).